Obrigado pela visita, e volte sempre que quiser!

Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Perguntas básicas, a volta

E agora, com vocês, a volta triunfal das "Perguntas Básicas".

- Por que será que um "ceromano" faz tanta lambança ao usar um vestiário de clube?

- E estando o mesmo (ou outro) "ceromano" no reservado desse mesmo (ou de outro) vestiário, por que ele joga os papeis no chão e não dá descarga?

- Por que será que há tanta gente "roda presa" no trânsito?

- Por que será que essa mesma (ou outra) gente não usa o sinal de seta quando dirige?

- E o pior de tudo: por que será que alguém, em sã (ou não tão sã) consciência, encosta atrás do nosso carro e começa a dar sinal de luz para que saiamos da frente, quando estamos na pista da... direita?????

Sim, eu tenho respostas para todas essas perguntas, mas penso que isso não seria publicável. E, se fosse, poderia chocar algum leitor mais sensível.

Vamos, então, considerá-las como perguntas retóricas. Algo para refletir e tentar mudar. Se é que vocês me entendem.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A volta dos que não foram

Depois de outro longo período, mais uma vez estou de volta.
Família, trabalho (muito), estudo, enfim, coisas que tomam ocupam nosso tempo. Às vezes, até mais do que gostaríamos.
Mas a vida é assim. Ninguém falou que seria fácil.
Entre as modinhas da vez estão as questões de gênero, a fala do General sobre uma suposta intervenção militar, a Coreia do Norte e o topetinho nervoso, os furacões (cada vez mais frequentes) lá no Caribe, e agora o terremoto no México.
Já nas coisas mais prosaicas e próximas, estamos às voltas com a crise hídrica no DF. Tempo seco, queimadas, fumaça e poeira, 120 dias sem chuva, reservatórios quase vazios, racionamento.
E a cereja do bolo veio com a notícia abaixo, cuja manchete é: "Consumo menor de água no DF provoca queda de 10% no faturamento da Caesb".

Segue o link: https://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/queda-de-consumo-de-agua-no-df-provoca-queda-de-10-do-faturamento-da-caesb.ghtml

Tá bom! Eu sei que são só perguntas retóricas, mas lá vão elas: será que continuamos a não ter cabeças pensantes nos governos? Será que ninguém pensou que essa queda ocorreria, seja pela sobretaxa imposta, seja pela redução natural do consumo, imposta pelo racionamento?

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Virou moda

Há alguns dias, fui até o centrinho próximo de casa, para pagar umas contas, comprar remédios para a filhota, enfim, coisas de pai.
Estacionei o carro, desci, e olhei desinteressadamente para as lojas próximas. Notei que havia algo diferente ali. Sim, mas o quê?
Ah! Havia uma loja nova. Uma, não! Duas! Caramba, como a rotatividade está alta nesse pedaço!
Então eu notei que uma delas era uma barbearia. Dessas novas, que estão abrindo por todos os lados, cheia de firulas, com decoração ao estilo antigo. Com direito a games, cervejas diferentes e afins. Algumas têm até mesas de sinuca.
São a versão masculina dos salões de beleza, um point para tentar agregar os homens em torno de coisas "de homem". As mulheres devem pensar: "Como se não bastassem os botecos... Mais essa agora..."
Depois disso, passei a notar que há uma proliferação de novas barbearias, todas muito parecidas. Parecem franquias, que devem seguir o "padrão da marca".
Elas eram algo muito comum, antigamente. Um ponto de encontro, onde se lia o jornal do dia e as revistas da semana, se discutia sobre política, futebol e carros. E até se fazia a barba. Depois, aos poucos, foram sumindo. Poucas conseguiram sobreviver à popularização das lâminas de barbear, em substituição às temidas navalhas, que precisavam de mãos hábeis no seu manuseio, e ao abandono do uso das barbas. Estas ficaram nos rostos de apenas alguns renitentes usuários, assim como os bigodes.
Essa nova fase, com o renascimento desses estabelecimentos, é o resultado da "nova" moda de uso dos rostos masculinos cobertos por pelos. E isso dá trabalho. Em dois sentidos: uma barba bem feita requer cuidados, e nem todos têm tempo para isso, o que leva à necessidade de profissionais para realizar tais atividades, gerando empregos.
Resta saber quem vai conseguir sobreviver à concorrência. E quanto tempo vai durar essa moda.
Ah, sim! Li por aí que as barbas estão associadas à masculinidade. E este site aqui dá 10 motivos para deixá-la crescer.
Apenas a título de curiosidade, eu uso meu cavanhaque desde o ano 2000. Nesses 16 anos, só raspei o rosto umas três ou quatro vezes. Questão de escolha, sem influência de moda.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Vamos ligar os faróis!

A partir de amanhã começa a valer a determinação legal de acender os faróis nas estradas, durante o dia. Veja aqui o texto da Lei nº 13.290, de 23/05/2016.
O descumprimento custará R$ 85,13 e quatro pontos na CNH. Mas lembrem-se: o valor subirá em novembro!
Em tempos de necessidade de aumento do caixa dos governos, melhor fazer um lembrete desses da foto abaixo.
As estradas são lixo puro, sem sinalização, sem acostamentos, e com milhões de buracos. Não há dinheiro que baste para pagar os serviços mal feitos das empreiteiras e os devidos superfaturamentos.
Melhor que cumprir a sua parte, é mais cômodo obrigar o pobre contribuinte a acender os faróis durante o dia.
Menos obrigação para o Estado, e mais dinheiro arrecadado.
E nós? Ora, arquemos com mais algumas obrigações...












A imagem utilizada nesta postagem circula no facebook. Não sei quem é o autor. Mas é um artista!

PS: aqui no DF, a lista de "rodovias" é imensa. E é muito malandra! Quase tudo foi transformado em rodovia para aumentar a parcela da CIDE que é devida pela União ao governo distrital. As justificativas "oficiais" são pura balela. O que eles querem é mesmo a grana...

Vamos ligar os faróis!

A partir de amanhã começa a valer a determinação legal de acender os faróis nas estradas, durante o dia. Veja aqui o texto da Lei nº 13.290, de 23/05/2016.
O descumprimento custará R$ 85,13 e quatro pontos na CNH. Mas lembrem-se: o valor subirá em novembro!
Em tempos de necessidade de aumento do caixa dos governos, melhor fazer um lembrete desses da foto abaixo.
As estradas são lixo puro, sem sinalização, sem acostamentos, e com milhões de buracos. Não há dinheiro que baste para pagar os serviços mal feitos das empreiteiras e os devidos superfaturamentos.
Melhor que cumprir a sua parte, é mais cômodo obrigar o pobre contribuinte a acender os faróis durante o dia.
Menos obrigação para o Estado, e mais dinheiro arrecadado.
E nós? Ora, arquemos com mais algumas obrigações...












A imagem utilizada nesta postagem circula no facebook. Não sei que é o autor. Mas é um artista!

PS: aqui no DF, a lista de "rodovias" é imensa. E é muito malandra! Quase tudo foi transformado em rodovia para aumentar a parcela da CIDE que é devida pela União ao governo distrital. As justificativas "oficiais" são pura balela. O que eles querem é mesmo a grana...

terça-feira, 5 de julho de 2016

Arrume sua bagunça

Sua casa está uma verdadeira bagunça?
Você não consegue encontrar o que procura?
Você gasta horas preciosas do seu fim de semana tentando organizar um pouco seu quarto, seu escritório, sua sala?
Quando você abre os armários, o faz com muito cuidado para que as coisas não caiam sobre você?
Quando você abre as gavetas do guarda-roupa, tudo parece pular para fora, impedindo que elas se fechem novamente?
Há pilhas de roupas para lavar, e outras ainda maiores para passar?
Para mim, isso é muito familiar... Principalmente quando todos (pai, mãe, filha) "colaboram" para essa bagunça.
Agora há pouco, li uma reportagem no Extra sobre o tema, com o seguinte título:

Desorganização atrapalha funcionamento do cérebro e provoca estresse

Leia mais aqui.


O texto é de janeiro de 2016, mas aplica-se a qualquer ano, mês, dia, hora... Ao olhar para aqueles montes de coisas fora do seu devido lugar, o nível de estresse aumenta exponencialmente, a paciência se esgota em ritmo alucinante, e... E...
Alguém aí falou em gritar e sair correndo? Sim, muitas vezes essa é a vontade!
Mas, quando você voltar, tudo continuará como está. Talvez esteja até pior, pois o cônjuge (eita palavrinha feia!) e a criança continuarão ali, para levar a Teoria do Caos além de todos os limites conhecidos.
Tente organizar as coisas, e faça um esforço ainda maior para mantê-las tais como os clipes do nosso título, ou seja, em seu devido lugar.
Só assim você chegará ao final do domingo com níveis decentes de estresse, podendo sentar-se confortavelmente no sofá e degustar uma latinha de cerveja com aquela sensação de dever cumprido, vendo sua casa arrumada, pronta para começar mais uma semana de... bagunça!
Ah, não! De novo, não!

segunda-feira, 27 de junho de 2016

A siderurgia não está boa das pernas no Brasil

Minha meia dúzia de leitores sabe que trabalhei no ramo da siderurgia, num passado distante. Já falei disso aqui e aqui.
Recentemente li algumas notícias sobre meu antigo local de trabalho que deixaram abalado. Uma delas é esta:
Usiminas vai demitir mais 500 funcionários em Cubatãoa Mais:http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,usiminas-vai-demitir-mais-500-funcionarios-em-cubatao,10000057302
sine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter
Leia Mais:http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,usiminas-vai-demitir-mais-500-funcionarios-em-cubatao,10000057302
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Você pode ler a matéria aqui, no Estadão.
Para quem viu e viveu toda a agitação daquela usina trabalhando em ritmo de 4,5 milhões de toneladas de aço líquido por ano, com seus milhares de funcionários "ligados" 24 horas por dia, uma notícia dessas é um verdadeiro balde de água fria.
Eu já sabia que toda a parte primária havia parado, após o desligamento de um dos Altos-Fornos da usina de Cubatão. Duas notícias sobre esse fato podem ser lidas aqui e aqui. Somente permaneceriam trabalhando as áreas de Chapas Grossas, Laminação a Quente e Laminação a Frio. Já era um prenúncio de que tempos difíceis estavam por vir.
Só posso me solidarizar com meus antigos colegas de trabalho, rezando para que o Grande Arquiteto não os desampare.


Expressões antigas

Há alguns dias, participando de um evento muito interessante sobre presidencialismo de coalizão, ouvi uma pérola que há muito tempo não fazia parte do meu cotidiano: "na crista da onda".
Segundo o Dicionário de Gírias (você pode pesquisar aqui), significa "estar no auge do sucesso".
Sinal dos tempos... Ao ouvir uma expressão tão antiga, desliguei-me e fiquei pensando, "cá com os meus botões", sobre a passagem do tempo, esse movimento só de ida dos segundos, minutos e horas, vindos do futuro, e que caminham para o passado, sem nos darmos conta disso.
O palestrante lá, discorrendo sobre o interessante texto de Sérgio Abranches (ABRANCHES, Sérgio Henrique Hudson de. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro: IUPERJ. v. 31, n. 1, 1988. p. 5-33), e minha cabeça a mil, repassando fatos, imagens, sensações, alegrias e tristezas, sucessos e fracassos.
Corpo presente, olhos abertos, caneta na mão sobre o bloco de anotações, mas a mente distante.
Não sei ao certo quanto tempo se passou, mas voltei ao presente com um leve sorriso nos lábios.
Você, meu caro leitor, pode estar se perguntando: mas alguém notou? Sinceramente, não sei. Se notou, certamente não entendeu nada. A seriedade do momento talvez não comportasse sorrisos.
Mas "que atire a primeira pedra" quem nunca se pegou com um sorriso nos lábios, depois de uma passagem semelhante.
Não estou muito preocupado com isso. Já estou naquela fase da vida em que sinto que não preciso mais provar nada para ninguém.
Para encerrar, uma frase simples: mais sorrisos, menos sisudez.
Até de repente!

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Estou voltando!

Amigos, boa tarde.

Depois de mais de três anos de inatividade total, este blog voltará aos seus bons e velhos tempos!

Aguardem!

domingo, 10 de março de 2013

Mais uma mudança

As mudanças, em nossa vida, chegam em fases. Como vocês sabem, recentemente mudei de emprego e de cidade. Também resolvi voltar a estudar, e "abracei" uma nova pós e uma graduação a distância, que me dão uma boa dose de dores de cabeça com as leituras, os trabalhos e as provas. E, em breve, terei que enfrentar, com bravura e determinação, os TCCs.
Agora, mais uma mudança chegou para ficar e para alterar hábitos e rotinas de um casal.
Fraldas, mamadeiras, chuquinhas, carrinho, cadeirinha, berço, mosquiteiro, sabão de coco, choro, manhas, gritinhos, lacinhos, brinquinhos, babadores, mantas, gorros, cotonetes, pomadas, lenços umidecidos, chupetas, algumas noites em claro e muitas risadas tomaram conta de nossa casa e de nossas vidas.
Um tesouro, um presente, uma dádiva, uma bênção de nome Maia está devidamente instalada em nossa casa e em nossos corações, encantando a família e os amigos, e impondo um novo tipo de aprendizado que nós nem suspeitávamos que existisse e que fosse necessário, inclusive a localização dos fraldários e elevadores em todos os shoppings da cidade.
Agora, quando saímos de casa, monta-se uma "operação de guerra" na preparação de tudo que é preciso para garantir um passeio minimamente tranquilo, para nós e para a princesinha. Já consegui dominar boa parte da lista de itens, mas ainda é essencial o auxílio da mãe na revisão, para que nada seja esquecido.
Alguém aí sabe onde posso adquirir um bom babador para adultos?
O que foi? Está estranhando a pergunta? Pai de primeira viagem baba tanto quanto um bebê... Ou até mais! rsrsrs!!!